4 de dezembro de 2016

Ageu 2.10-14

“A Pureza e a Impureza da Igreja”

Ageu 2: 10-14


No vigésimo quarto dia do nono mês, no segundo ano de Dario, veio a palavra do Senhor por meio do profeta Ageu.

Tão pouco tempo havia se passado, somente três meses após o povo de Deus ter retomado a construção do templo e cerca de dois meses após o apelo para que tivessem uma visão elevada daquele projeto, quando o profeta lhes convocou a avaliarem sobre a glória da segunda casa. Entretanto, agora, o empreendimento do profeta é outro.
Num primeiro momento, eles deveriam avaliar sobre a importância e centralidade do culto a Deus, no outro momento, deveriam ter uma visão elevada do que tudo aquilo realmente significava, neste ponto, entretanto, a profecia é uma convocação para uma reflexão sobre as possibilidades pessoais de se fazer aquela grande obra.

Uma reflexão necessária constrói o quadro que o profeta quer trabalhar:
Agora, pois, considerai tudo o que está acontecendo desde aquele dia. Antes de pordes pedra sobre pedra no templo do Senhor (Ag 2.15).
Quando empreendemos uma caminhada com Deus temos a tendência de que, então, tudo está resolvido. Afinal, começamos a caminhar com Deus, certamente isto é o suficiente para alimentar nossa alma, nosso culto, nossa fé.
Os israelitas, repatriados, tomaram a decisão de reconstruir o templo e havia três meses o estavam fazendo. O que vimos nos primeiros 9 versos do capítulo 2 é que eles precisavam ter uma visão mais elevada daquele empreendimento, mas talvez, agora isto também já estava resolvido. Eles estavam, então, trabalhando e motivados, isto é suficiente? Parace que não!
O profeta os conclama a refletir: considerai tudo o que está acontecendo antes de colocar pedra sobre pedra neste relacionamento com o Senhor. Por quê? O Senhor não está contente com o nosso esforço? Ele nunca se agrada ou elogia o que fazemos?
O texto desta noite é uma palavra que nos convoca a pensar em ao menos duas importantes realidade que não podemos esquecer se queremos construir um relacionamento verdadeiro e próspero com o Senhor.
1)    SOMOS PECADORES
2)    PECAMINOSIDADE SE ESPALHA MAIS FACILMENTE QUE A SANTIDADE.

Você já deve ter percebido que uma carreira inteira de vida com Cristo se dissipa em algumas horas de pecaminosidade e já deve ter visto pessoas que amavam Jesus de todo o coração desistirem da sua vida com o Senhor, por coisas tão pequenas, que nos espantaram com a fragilidade da sua fé.
Podemos ler na Bíblia frases que falam sobre isto, como aquela que diz que um pouco de fermento pode levedar toda a massa, ou sobre como Esaú trocou as palavras do pacto por um prato de lentilhas.
A fragilidade da nossa fé não é só falta de conhecimento. Assim como a sua pouca força na construção da vida com Deus não é só uma questão circunstancial ou um problema eclesiástico. O profeta Ageu está nos alertando para um problema muito maior e mais profundo. O profeta está nos alertando sobre o fato de que podemos sim construir algo grandioso e podemos perde-lo no que diz a um relacionamento verdadeiro com Deus, se não tomarmos conta do que realmente está na raiz de todos os nossos problemas: A MALIGINIDADE DO NOSSO CORAÇÃO.

QUANDO HOMENS DE CORAÇÃO IMPURO CONSTROEM UM RELACIONAMENTO COM UM DEUS PURO, DEVEM CONSTRUIR O SEU RELACIONAMENTO BASEADO NAS NORMAS DE DEUS E NÃO NAS SUAS.

Quando a profecia é apresentada o Senhor dos Exércitos conclama os sacerdotes a falarem a respeito da Lei de Deus.
Assim diz o Senhor dos Exércitos: Pergunta, agora, aos sacerdotes a respeito da Lei (Ag 2.11).
Toda a reflexão é sobre a vida de aproximação com Deus: ANTES DE COLOCAR PEDRA SOBRE PEDRA NO TEMPLO, mas os sacerdotes não são perguntados sobre o que eles pensam sobre adoração e relacionamento com Deus, as questões que o Senhor levanta requerem uma POSIÇÃO A RESPEITO DA LEI.
Agora – Uma pequena palavra hebraica: NAh. Mas ela denota toda a urgência que o Senhor requer de um posicionamento deste tipo. Não se trata de algo que possa realmente ser deixado para depois. Isto deve nos servir de alerta sobre o modo como o Senhor deseja estejamos prontos a resolver as coisas do nosso relacionamento com ele: NAH. Ela traz o peso de uma forte exortação: AGORA O QUE VOCÊS PENSAM SOBRE O QUE ESTÁ ACONTECENDO.
A urgência não tem a ver com pressa. A urgência que Deus exige tem a ver com IMPORTÃNCIA. O que realmente é importante para você? Quão importante para você é o seu relacionamento com Deus?
Aos sacerdotes – Um dos aspectos diferenciados desta parte da profecia é que aqui, ele não é tão inclusivista quanto em outros momentos, quando propõe que todos respondam: além de Josué o sacerdote, Zorobabel, o governador e todo o povo. Mas aqui, o ponto é destacado para a responsabilidade de quem deveria saber o que está fazendo. Sem dúvida alguma, erramos por negligenciarmos o próprio conhecimento que já temos e a responsabilidade que já temos diante de Deus. Vinte, trinta, quarenta anos... mais experiências, mais oportunidades e tudo isto, muitas vezes, não fazendo diferença alguma no nosso relacionamento com Deus só aumenta o tamanho e a importância das nossas falhas, omissões e insensatez.
A respeito da Lei – Torah – mais especificamente o assunto de Deus é o relacionamento doxológico, como a vida de Israel deveria se estruturar em torno do culto ao Deus vivo, mas a pergunta é a respeito da Lei. Por quê? O que podemos responder é que, na verdade, a OBEDIÊNCIA E O AMOR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS é a questão central a ser debatida no nosso relacionamento com Deus.
Não podemos construir bem um relacionamento com Deus se ainda vivemos a nossa fé segundo NOSSAS ESCOLHAS E PREFERENCIAS PESSOAIS. Podemos, sim, estar construindo um templo, mas ele não é para Deus. Podemos, sim, estar cantando louvores, mas eles tem mais a ver conosco e com nossas preferências que com nosso amor, respeito, honra e reconhecimento da glória de Deus.
Este é o ponto central... QUANDO HOMENS DE CORAÇÃO IMPURO CONSTROEM UM RELACIOMENTO COM DEUS DO SEU JEITO, ELES CONTAMINAM E DESTROEM ESTE RELACIOMENTO.
POR ISSO DIZEMOS QUE QUANDO HOMENS DE CORAÇÃO IMPURO CONSTROEM UM RELACIONAMENTO COM UM DEUS PURO, DEVEM FAZE-LO SEGUNDO AS NORMAS DE DEUS E NÃO AS SUAS.   
Os termos da nossa vida doxológica não são os nossos, mas os de Deus.

QUANDO HOMENS DE CORAÇÃO IMPURO CONSTROEM UM RELACIONAMENTO COM UM DEUS PURO, DEVEM TER CONSCIÊNCIA DE QUE NOSSOS ATOS MAIS SANTOS NÃO PODEM  SUBSTITUIR A SANTIDADE DE TODA A SUA VIDA

Antes de colocar pedra sobre pedra em nosso relacionamento com Deus, lembre-se de que uma pedra santa, não faz de todo o edifício uma casa santa. Do que estamos falando? Estamos falando da nossa tendência de super valorizar pequenos traços de santidade que já temos e não nos importarmos com a santificação das outras áreas da nossa vida.
Uma irmã se dedica à oração. Ela é responsável e muito conhecida por sua presteza em ajoelhar-se diante de Deus como intercessora. Uma mulher de oração. Bem, esta mesma irmã, negligencia o cuidado com o estudo sistemático da Palavra, não é assídua aos estudos bíblicos, não se importa em crescer no conhecimento doutrinário e pouco se importa com a adoração. Para ela, A VIDA DE ORAÇÃO SUBSTITUI A VIDA CRISTÃ. Há muitas pessoas agindo assim e trocando seu relacionamento com Deus com é algo dinâmico e envolve a vida toda, por apenas um traço daquilo que faz.
A primeira pergunta do profeta é a seguinte:
Se alguém leva carne santa na orla de sua veste, e ela vier a tocar no pão, ou no cozinhado, ou no vinho, ou no azeite, ou em qualquer outro mantimento, ficará isto santificado? Responderam os sacerdotes: não (Ag 2.12).
A resposta dos sacerdotes foi “não” e nisto acertaram em cheio. A carne santa só pode ser considerada com carne santa, ela não tem poder de santificar nada mais ao seu redor, se o que estiver ao seu redor não for santo, nada, além da carne será santo.
A carne santa tem poder de santificar as outras coisas - Você consegue entender o que o profeta está dizendo? Eles estavam construindo o templo e com muita alegria agora, mas eles precisavam de mais que apenas o ato desapegado de construção, eles precisavam construir todas as outras coisas da vida também santas. Eles tinham de fazer isto, segundo a Lei de Deus e deveriam viver segundo as normas de Deus.
Jesus falou em cumprir a Lei e errar em um ponto é o mesmo que errar tudo. Precisamos mais que algumas atitudes cristãs em algumas coisas que fazemos, precisamos mais que um ministério que nos qualifique como cristãos, precisamos de vida cristã, vida com Deus e este é o ponto.
Os sacerdotes responderam: não – A resposta dos sacerdotes revela muito sobre nós também. Na verdade, como eles, também nós sabemos que não dá para construir uma vida com Deus, onde somente alguns aspectos pertencem a Ele e o restante é altamente contaminado e destituído de entrega ao Senhor. Mas, eles precisavam dizer isto, assim como nós precisamos dizer isto. O que isto significa, que é preciso ter CONSCIENCIA DA PRÓPRIA FRAGILIDADE DA NOSSA FÉ E DA PRECARIEDADE DE NOSSA SANTIDADE.
QUANDO HOMENS DE CORAÇÃO IMPURO CONSTROEM UM RELACIONAMENTO COM UM DEUS PURO, PRECISAM TER CONSCIÊNCIA DE QUE SEUS ATOS MAIS SANTOS NÃO PODEM SUBSTITUIR A SANTIDADE DE TODA A SUA VIDA.

QUANDO HOMENS DE CORAÇÃO IMPURO CONSTROEM UM RELACIONAMENTO COM UM DEUS PURO, DEVEM TER CONSCIÊNCIA DE QUE SUA PECAMINOSIDADE EXIGE QUE SEJAM SOCORRIDOS PARA TER VIDA COM DEUS


Um dos erros de Israel e Judá, os povos da aliança, é que o fato de terem sido os portadores da Lei e do Templo e de terem desenvolvido o hábito de se envolver com Yahweh, os levou a pensar que eram capazes de produzir uma fé viva e verdadeira por suas próprias forças.
Quando o profeta Amós condenou o culto idólatra de Israel, ele não disse que eles não faziam culto ou não prestavam atenção em seguir alguns rituais prescritos, mas que eles haviam deixado o seu coração dominar o culto que prestavam e, aos poucos, fizeram um culto segundo à sua vontade.
Vinde a Betel e transgredi, a Gilgal, e multiplicai as vossas transgressões, e cada manhã, trazei os vossos sacrifícios e, de três em três dias, os vossos dízimos, e oferecei sacrifício de louvores o que é levedado, e apregoai ofertas voluntárias, e publicai-as, porque isto gostais, ó filhos de Israel, disse o Senhor Deus (Am 4.4-5)
Para o profeta Ageu, a consciência do nosso potencial contaminador da nossa relação com Deus deve ser algo que fique claro para nós. É um erro ser arrogante espiritualmente e se achar perfeito, ou intocável pelo pecado. O conselho bíblico é muito claro:
Aquele que pensa estar em pé, veja que não caia (1Co 10.12).
Antes de colocar pedra sobre pedra no relaciomento com Deus, precisamos pensar sobre isto. Portanto o profeta propõe outra pergunta:
Então, perguntou Ageu: se alguém que se tinha tornado impuro pelo contato com um corpo morto, tocar nalguma destas coisas, ficará ela imunda? Responderam os sacerdotes: ficará imunda. Então, prosseguiu Ageu: Assim é este povo, e assim esta nação perante mim, diz o Senhor; assim é toda a obra das suas mãos, e o que ali oferecem, tudo é imundo (Ag 2.13-14).
 Sem dúvida essa não foi uma fala alentadora. Não parece ser um trabalho de motivação. Ao contrário, seguindo o modelo que temos hoje que somente os elogios servem, o profeta Ageu seria considerado um “não agregador” um “líder negativo” etc.
Com certeza, esta palavra não é um elogio, mas está longe de ser uma palavra destrutiva. O que temos diante de nós é uma palavra séria de correção e alerta. PRECISAMOS DE UMA FÉ MADURA QUE SAIBA OUVIR NÃO, ISTO ESTÁ ERRADO! E precisamos de crentes dispostos a mudar o caminho quando necessário.
A impureza contamina a vida – é curioso, mas é real, uma peça suja é capaz de passar a sujeira para outra que esteja limpa, mas a peça limpa não consegue passar a sua limpeza para a suja, assim como um homem doente pode contaminar outro sadio com sua doença, mas um homem são, não consegue contagiar o doente com sua saúde (Derek Thomas).
Limpar e manter limpo é muito mais difícil que sujar. Precisamos encarar essa realidade e ter consciência de que somos seres que podem contaminar áreas boas da nossa vida com nossa sujeira. Se somos egoístas nos negócios, podemos contaminar nossos relacionamentos com este egoísmo. É muito mais fácil um homem que ama todas as pessoas, mas é altamente ganancioso no modo como lida com os negócios, em algum momento, deixar a sua ganância, atrapalhar seus relacionamentos bons.
Tudo o que oferecem é imundo – Deus está sendo duro? Sim, está! Mas não está sendo hipócrita e nem está agindo sem amor. Deus queria que eles construíssem o templo, enviou seu profeta para incentivá-los e para animá-los e seu espírito para impulsioná-los à ação, MAS DEUS QUERIA QUE ELES CONSTRUÍSSEM O MELHOR, UMA RELAÇÃO VERDADEIRAMENTE SANTA E PURA COM O SENHOR.
Deus quis que eles tivessem consciência dos perigos do caminho da santidade e de como ele se desfaz facilmente e queria que eles SOUBESSEM QUE PRECISA DE AJUDA.
Na parte inicial do capítulo 2, a palavra de Deus é uma afirmativa de que DEUS É QUEM COLOCA GLÓRIA NA CASA. Este é o ponto! Não somos nós que tornamos o nosso relacionamento com Deus perfeito, mas ele é quem nos aperfeiçoa, dia a dia. Dependemos dele para as coisas mais simples da vida, para que todas as coisas da nossa vida sejam santas.
QUANDO HOMENS DE CORAÇÃO IMUNDO SE RELACIONAM COM UM DEUS SANTO, ELES PRECISAM TER CONSCIENCIAS DE QUE PRECISAM SER SOCORRIDOS POR DEUS.

Conclusão

Este é o ponto meu caro irmão. Talvez você esteja, por tempo demais, confiando demais no fato de que algumas coisas da sua vida com Deus parecem estar no lugar. Já ouvi, não uma vez só, de pessoas que eu amo, a seguinte ideia: apesar de não estar indo à igreja, estou em paz com Deus, porque oro todos os dias e não esqueço de Deus. Afirmativas deste tipo são muito enganosas, porque elas são uma estratégia de engano do coração. Os fariseus mantinham falhas morais grotescas, mas se julgavam melhores que os demais porque faziam orações públicas.
Às vezes, o crente passa tempo demais se autoenganando e se protegendo em desculpas que ele precisa encarar, antes de por qualquer nova pedra no relacionamento com Deus.
Não podemos menosprezar o fato de que precisamos desesperadamente de Deus para nos ajudar a construir, porque o nosso potencial destrutivo é imenso. Somos capazes de acabar com nossa família, casamento, amigos, relacionamentos, pessoas ao nosso redor, destruir a igreja, roubar a paz etc, basta que não vigiemos.
Mas precisamos ouvir o que Deus tem a dizer sobre aqueles homens que estavam construindo o Templo e perceber que Deus os está alertando para que DEPENDAM SOMENTE DAQUELE QUE É SANTO.
HOMENS IMUNDOS, QUANDO OUVEM AS BOAS NOVAS SANTAS, DEVEM CONFIAR NO SEU DEUS E ENTREGAR A ELE TODA A SUA VIDA.
O profeta Ageu tem uma palavra de conforto e estímulo. Ele indica que a caminhada é agir na dependência de Deus sempre. Ande assim, meu irmão.

APLICAÇÃO PARA A IPBVF

Irmãos, todos precisamos reavaliar o que realmente estamos fazendo da nossa vida com Deus. Ultimamente, Deus nos deu privilégios enormes, mas podemos facilmente ser traídos por isto. Afinal, uma igreja como a nossa que possui tantas coisas e está tão equipada de muitas formas, pode começar a pensar que isto é tudo. Mas não  é!
A falta que sentimos de uma mais rica demonstração de proximidade entre os irmãos e o fato de muitos preferirem viver solitariamente a sua vida com Deus, ou ainda, a atenção que alguns dão tão intensa para algumas coisas e o desprezo por outras que deveriam compor a sua vida cristã, podem ser sinais evidentes que ESTAMOS CONSTRUINDO E PONDO PEDRAS SEM NOTAR QUE ESTAMOS ERRANDO.
Hoje, todos precisamos fazer uma revisão profunda sobre como estão estas cosias e como poderemos agir de uma forma que a  nossa vida com Deus seja mais completa. Hoje, especialmente por causa da mesa da Santa Ceia, podemos repensar os valores que nos fazem sentir Corpo de Cristo e perceber se estamos falhando em dividir este mesmo corpo.

Quero lhes recomendar uma oração:
Pai, permita que o meu coração veja a própria face dos meus pecados para que eu me arrependa. Não me deixe caminhar sozinho e sem Ti, não permita que, o orgulho me impeça de uma vida completa com o Senhor. Hoje, eu quero ser santo, como tu És e isto quero ser do teu jeito e não do meu. Amém.

27 de novembro de 2016

Ageu 2. 1 a 9

A Glória da Casa de Deus


Ageu 2.1 a 9

 

FCD

A consciência daquilo que a Igreja deve ser neste mundo é uma das fronteiras que está sendo perdida em nossa consciência cristã do século XXI. A falta de percepção do valor e do poder da Igreja em sua ação de refletir a glória de Deus no mundo, produz uma igreja centrada em projetos que se distanciam da simples tarefa de iluminar o mundo em trevas. O texto de Ageu é uma profecia que aponta para o potencial glorioso e rico que Deus desejou colocar na Igreja que é o Corpo Glorioso de Cristo.

Introdução

No segundo ano do Rei Dario, no sétimo mês, ao vigésimo primeiro do mês, veio a palavra do Senhor por intermédio do profeta Ageu dizendo: Fala, agora, a Zorobabel, filho de Salatiel, governador de Judá, e a Josué, filho de Jozadaque, o sumo sacerdote, e ao resto do povo dizendo: Quem dentre vós, que tenha sobrevivido, contemplou esta casa na sua primeira glória? E como a vedes agora? Não é ela como nada aos vossos olhos? (Ag 2.1-3).  

Todo o contexto desta profecia é o retorno do exílio e a consciência da importância da presença de Deus, simbolizada no Templo de Jerusalém. Quando os filhos de Israel, impelidos pela mensagem de Ageu e os ministérios de Esdras, Neemias e Zacarias retomaram a construção do Templo, precisavam de uma visão clara do que estava em curso, que era mais que apenas a construção do Templo.
Zorobabel, Josué, todo o povo – A visão correta da glória da casa é a proposta da profecia. Mas, essa não deve ser uma visão apenas dos “especialistas”, deve ser uma percepção que une a todos. A ideia do que é a Glória da Casa deve mover toda a nação doxológica. A retomada do projeto de uma nação que vive para a glória de Deus passa pela necessidade de que todos saibam realmente o que é e para que serve a nação dos filhos de Deus.
A casa e a sua glória – enquanto ainda nas terras distantes, homens como Daniel estão clamando pela restauração de Israel, o povo que foi trazido de volta e os que haviam permanecido na terra são chamados a refletir sobre o significado do Templo e qual é a sua glória. Claro, irmãos, que não vamos gastar tempo explicando sobre o fato de que a Segunda Casa, embora seja uma referência à reconstrução do Templo de Jerusalém, que seria invadido e destruído mais tarde no período de Antíoco, verdadeiramente estamos lendo nas páginas de Ageu uma referência à Igreja, o Corpo de Cristo, o verdadeiro Templo onde Deus fez a sua morada.

Quando o apóstolo Paulo escreveu a respeito da obra de Cristo na Igreja ele disse: IGREJA GLORIOSA, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito (Ef. 5.28).
O profeta Ageu declarou:
A GLÓRIA DESTA ÚLTIMA CASA será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos Exércitos, e, neste lugar, darei a paz, diz o Senhor dos Exércitos (Ag 2.9).

Esta última casa é a vida do crente é a igreja de Cristo. Mas CONSEGUIMOS VER ESSA GLÓRIA? ESTARÁ MESMO ESSA CASA GLORIOSA ERGUIDA ENTRE OS HOMENS, OU AINDA EM RUÍNAS. O QUE PRECISAMOS SABER E FAZER PARA QUE ELA REVELE SUA GLÓRIA? QUAIS OS EFEITOS DA PRESENÇA DESTA CASA GLORIOSA EM UM MUNDO CAÍDO E AFUNDADO NAS TREVAS?

Para que se Revele a Glória da Casa de Deus entre os Homens os Filhos de Deus Precisam Recuperar Sua Confiança na Presença de Deus na Igreja

Parte da nossa falha em realizar a tarefa iluminadora da Igreja neste mundo reside no fato de que a Igreja, muitas vezes, está esquecida que o seu trabalho neste mundo é RESULTADO DA AÇÃO DE DEUS E DA SUA PRESENÇA EM NÓS.
Ora, pois, sê forte, Zorobabel, diz o Senhor, e sê forte, Josué, filho de Jozadaque, o sumo sacerdote, e tu, todo o povo da terra, sê forte, diz o Senhor, e trabalhai, porque eu sou convosco, diz o Senhor dos Exércitos (Ag 2.4).
Quando perdemos a ideia da presença de Deus em nós, perdemos com isso toda a força que deve correr em nosso pensamento sobre a vida, sobre o mundo, sobre quem somos e sobre o que realmente estamos fazendo aqui e para quem!
Quando Moisés notou a grandiosidade da obra para qual Deus o havia convocada, disse que não daria um passo sequer se Deus não fosse com ele; Josué foi encorajado a não temer, nem se desviar e Deus lhe prometeu ser com ele; Davi, quando foi ao encontro de Golias diante de todo o exército filisteu, correu contra o gigante em nome do Senhor dos Exércitos; o salmista, filho de Coré, exaltava sempre o Senhor dizendo: O Senhor dos Exércitos está conosco, o Deus de Jacó é o nosso refúgio.
Zorobabel, Josué, todo o povo – a consciência da presença de Deus como fundamento da GLÓRIA DA CASA DE DEUS deve ser uma busca geral. Precisamos construir essa consciência de forma coletiva e não apenas por uma meia dúzia. O problema que vivemos hoje é que há um grande número de crentes que compõem a igreja que mais se assemelham aos espias que viram a terra e tiveram medo por causa dos perigos, não tinham uma percepção da presença e do poder de Deus que iria agir em seu favor.
Trabalhai porque eu sou convosco – A tradução bíblica do hebraico não é simples. Porque a expressão “Vaasah Nenhum” carrega a ideia de “trabalhem, façam com as mãos, porque eu, que estou aqui, estou dizendo” – existe uma força gloriosa nesta passagem. Deus é a razão do nosso trabalho. Ele nos impulsiona, porque está ao nosso lado. Como um pai, que segura o filho e o ensina a andar de bicicleta e a igreja como uma criança que está com medo de cair, mas ajudada pelo pai, anda e se alegra.
Segundo a palavra da aliança que fiz convosco, quando saístes do Egito, o meu Espírito habita no meio de vós, não temais (Ag 2.5).
A saída do Egito – A citação da história do Egito era de um significado produto para o Israelita que sabia que não se tratou de uma libertação qualquer, mas de uma ação poderosa de Deus. Quando olhamos para o desafio que o mundo é, com tantas crises e trevas ao nosso redor. Quando vemos as trevas cobrindo nossas famílias, nossos filhos, nossas escolas, nossas ruas, a mídia, o cinema, nossas empresas e tudo o que nos cerca, SEM DÚVIDA PARECE QUE NÃO HÁ SAÍDA. Talvez você se sinta assim, pequeno, desprotegido e sua fé não consegue fazer você sair de um pequeno raio de ação. VOCÊ OLHA PARA CASA E PENSA, JAMAIS SERÁ COMO ANTES.
Deus, por outro lado, QUER QUE VOCÊ SAIBA QUE ELE É QUEM É NOSSA FORÇA. ELE É O PODER QUE ESTÁ POR DETRÁS DA NOSSA LUZ. QUANDO A IGREJA CAMINHA COM CONSCIENCIA DA PRESENÇA DE DEUS, ELA FAZ PROEZAS. PRECISAMOS RECUPERAR ISTO PARA NOSSA VIDA PESSOAL, PARA NOSSA VIDA NA IGREJA, PARA NOSSA PASSAGEM NESTE MUNDO.
Minha aliança, minha palavra, meu Espírito em vós - Não se deixe enganar pela ideia que a força está em nós, na nossa santidade, na nossa oração, na nossa liturgia, na nossa tradição, teologia ou em qualquer coisa que tenha como origem quem nós somos. A NOSSA FORÇA ESTÁ NO DEUS QUE NOS SANTIFICA, QUE OUVE A NOSSA ORAÇÃO, QUE NOS ENSINA A CULTUAR, QUE NOS DEU UMA HISTÓRIA, QUE É A FONTE DA NOSSA TEOLOGIA E DE TUDO O QUE TEMOS E SOMOS.  

Para que se Revele a Glória da Casa de Deus entre os Homens os Filhos de Deus Precisam Recuperar a Noção de História Como Resultado da Vontade de Deus

O profeta Habacuque, vivendo em tempos extremamente difíceis, em que dizia que a fé deveria ser exercita, ainda que a figueira não florescesce, ou que não houvesse gado no curral, ou a oliveira produzisse frutas secas, ELE CLAMOU PARA QUE DEUS AVIVASSE A SUA OBRA NO DECORRER DOS ANOS.
Ele estava pontuando sobre a consciência de que a HISTÓRIA É O PALCO ONDE DEUS FAZ VIR À LUZ A SUA VONTADE e a sua VONTADE TEM A VER COM O SEU POVO.
Pois assim diz o Senhor dos Exércitos: Ainda uma vez, dentro em pouco, farei abalar o céu, a terra, o mar e a terra seca; farei abalar todas as nações, e as coisas preciosas de toda as nações virão, e encherei de glória esta casa, diz o Senhor dos Exércitos. Minha é a prata, meu é o outro, diz o Senhor dos Exércitos (Ag 6-8).
O Senhor dos Exércitos – (Yahweh Sebaoth) - Este é o nome de Deus usado para se referir sobre aquele que luta as nossas guerras. Davi usou este nome como escudo quando foi ao encontro de Golias. Ele é quem fala, ele é quem garante a vitória.
Ainda uma vez dentro em pouco – veja que o ponto do profeta tem a ver com o desenvolvimento da história e o poder de Deus para fazer vir a glória a casa no decorrer do tempo.  
Farei abalar – (Mahraish) – a palavra que Ageu usou também foi usada por Davi. Quando acontecia um terremoto e um deles foi muito famoso no período dos profetas e reis, aconteceu no reinado de Usias, os homens diziam que Deus havia se aproximado da terra e ela “raish” (tremeu).
Ao saíres, ó Deus, à frente do teu povo, ao avançares pelo deserto, tremeu a terra, também os céus gotejaram à presença de Deus, o próprio Sinai se abalou na presença de Deus, do Deus de Israel (Sl 68.7-8).
 O profeta tem uma mensagem que diz que as coisas mais estáveis, o céu, a terra, o mar, a terra firme, elas estão à mercê do poder de Deus. Deus é o Senhor de todas as coisas, o Senhor da história.
Farei abalar as nações – o profeta reforça sua visão do controle de Deus sobre todas as coisas, apontando para o controle do Senhor também sobre os homens, reis, povos. Tudo está sob o controle de Deus.
O que Deus irá fazer ao longo de todas estas ações no decorrer do tempo?
As coisas preciosas de todas as nações virão e encherei de glória esta casa -  Deus não trabalha aleatoriamente, ele não trabalha sem um objetivo. Deus está restaurando seu povo e TRAZENDO GLÓRIA À SUA CASA. O apóstolo Paulo diz que tinha certeza de que aquele que começou a boa obra há de terminar.
A consciência de que Deus trabalha na história para VESTIR DE GLÓRIA A NOIVA DE CRISTO deve nos fazer repensar fortemente o que temos proposto como objetivos de nossa história pessoal. Não podemos viver noutra direção, ao contrário, o sábio é fazer com que cada vez mais essa glória que está sendo trazida sobre nós esteja cada vez mais evidente em quem somos e como vivemos para a GLÓRIA DE DEUS.
As coisas preciosas das nações – Não vamos discutir muito sobre o que seriam estas coisas. Mas, certamente a glória da casa não é de riqueza material e perecível. As coisas preciosas das nações tem sido uma unanimidade entre os comentaristas de que se trata de pessoas de todas as nações.
Prata e ouro – representam mais que metais preciosos, são valores que são os ornamentos da noiva de Cristo. E Deus pode fazer estas coisas crescerem e se fortalecerem ao longo da história, porque ele dirige a história para trazer glória à noiva de Cristo. A glória dele posta em nós.

Para que se Revele a Glória da Casa de Deus entre os Homens os Filhos de Deus Precisam Recuperar o Seu Como a Reveladora da Paz

Entre as características do Reino do Messias, o Príncipe da Paz, o profeta Isaías apontou a chegada de uma PAZ SEM FIM. Cristo Jesus afirmou claramente que A SUA PAZ ERA UMA DÁVIDA DIFERENTE DE QUALQUER OUTRA DADA NO MUNDO.
O povo de Deus é a janela do Reino. Por meio da Igreja, os homens deveriam o que é a GLÓRIA DO REINO DE PAZ DO MESSIAS. A glória da Casa deve redundar em um Reino de Paz.
A glória da última casa será maior – Israel fora chamado para ser uma nação de Paz. Sua capital era a cidade da Paz, Jerusalém. Ela deveria ser uma representante da consciência de que o povo de Deus é o portador da Paz de Deus. A bênção araônica preconizava: O Senhor te dê a paz. O que o profeta tem a dizer é que haverá, ao longo da história, uma manifestação clara da PAZ DE DEUS e ela acontecerá na próxima casa e a glória desta casa será maior, exatamente porque nela o Senhor dará a sua paz.
Neste lugar darei a paz – Neste lugar, meus irmãos, é de um significado responsabilizador. Não podemos perder de vista o que Deus está fazendo e qual o seu propósito ao trazer a este mundo a GLÓRIA DE CRISTO e fazê-la perceptível na igreja. Precisamos notar que é a IGREJA O MEIO PARA QUE A PAZ VENHA AO MUNDO.
Precisamos redescobrir nosso papel como elemento de paz neste mundo. Sempre que a igreja percebeu isto, sua atuação no mundo tornou-se modelar e modeladora.
Na Genebra de Calvino, onde refugiados eram recebidos, acolhidos e tratados ou nas tendas de refugiados que são recebidos pelo pastor Gian e a Igreja curda no note do Iraque, o que temos é a demonstração da glória da Igreja.
Pastor Gian em falou de um jovem, que o procurou intrigado sobre o Cristianismo. Ele estava cansado da proposta de luta e guerra que via no islamismo e queria entender como e porque os cristãos eram capazes de perdoar, ou de simplesmente fazer o bem até para quem não era cristão. Quando este jovem procurou o pastor Gian, o que o atraiu  foi a PAZ QUE EXCEDE O ENTENDIMENTO HUMANO e habita o coração da IGREJA GLORIOSA.
Cristo é a nossa paz e a nossa glória. Quando Crentes lutam e vivem guerras interiores e exteriores, eles simplesmente revelam que ainda não compreenderam o que é ser de Cristo. Quando o que marca a sua vida cristã é a busca constante pelo confronto, pela dissensão, pela divisão, separação etc... o que você revela não é a GLÓRIA DE DEUS E DA CASA DE DEUS, mas a presença das trevas em seu coração.
SE QUEREMOS REVELAR A GLÓRIA DE DEUS NESTE MUNDO, PRECISAMOS SER O LUGAR ONDE A PAZ DE DEUS É REVELADA PARA ESTE MUNDO CAÍDO, CUJA MARCA MAIS ABSOLUTA É A SUA AUSENCIA DE PAZ.

Conclusão

Quando olhamos para um texto assim logo nos vem à mente o que é necessário fazer para que a Glória de Deus se manifeste entre nós e no mundo através de nós.
Penso que as respostas virão à tona quando percebermos que temos um papel importante neste mundo e somos a luz deste mundo em trevas. Por mais difícil que possa parecer, porque as trevas parecem volumosas, precisamos saber que Deus é quem está trabalhando por meio do nosso trabalho e que o poder é dele e não nosso. O menor dos crentes pode derrotar um exército. A menor lâmpada pode iluminar o mundo.
Precisamos também nos desligar de nossas pretensões pessoais de marcar este mundo do nosso jeito e procurar trabalhar segundo a vontade e objetivo de Deus para a nossa vida. Ele está trabalhando para nos vestir com a Glória de Cristo e nós, muitas vezes, estamos nos vestindo de vestes sujas deste mundo.
Temos um papel fundamental e precisamos exercer nosso papel. Precisamos olhar para o lugar onde estamos e lembrar que em nós, Deus revelar a harmonia, a paz.

Aplicações para IP Vila Formosa
Meus irmãos, membros da igreja e todos os que tem se sentido em casa conosco, precisamos abrir mais os nossos olhos para o mundo que nos cerca e perceber que há muitas trevas ao nosso redor e não podemos viver como se isto não representasse nada.
Famílias estão se desmanchando, a sociedade afundada na violência, em todo lugar as trevas cobrem os corações. Nossa igreja precisa ser uma alternativa de paz.
a)    Não podemos permitir que a falta de paz se manifeste em nossa igreja entre nós;
b)    Precisamos fazer algo por aqueles que estão em conflitos pessoais e ajuda-los a encontrar a paz;

c)    Quero convoca-los a orar e a pensar o que uma igreja como a nossa pode fazer neste mundo. Ajudemo-nos uns aos outros a fazer algo para que nossa igreja seja uma janela de paz e REVELE A GLÓRIA DE DEUS NESTE MUNDO. 

6 de novembro de 2016

Ageu 1. 1 a 11

Quando Chega o Tempo de Restauração o Culto?


Ageu 1.1 a 11

 

FCD

Sem dúvida, todos temos dificuldade para perceber nossos próprios erros. Em geral, partimos do princípio de que sabemos o que estamos fazendo e que certamente é o caminho correto. Ageu, provocou uma reflexão importante, afinal, o povo de Deus estava seguro de que estava fazendo o que é correto, afinal estavam reconstruindo suas vidas. O ponto central de sua profecia é que eles deveriam perceber que suas vidas não poderiam ser construídas ao redor de si mesmos, mas precisam reorientar sua existência em torno do amor supremo a Deus.

Introdução

No segundo ano do Rei Dario, no sexto mês, no primeiro dia do mês, a palavra de Deus do Senhor por meio de Ageu, à Zorobabel, Josué.

Meus irmãos, Deus está se dirigindo claramente nessas palavras a um povo, em um dado momento de sua história e está responsabilizando quem deveria ser responsabilizado. Começamos esta profecia sem rodeios, o problema discutido neste livro não é um assunto “platônico”, uma discussão de possibilidades, mas uma condição real, um fato, uma constatação clara. O tema proposto aqui é claro e quero também deixar claro para nós hoje:
DEUS FALA QUE O PROBLEMA DAQUELE POVO É QUE SE TORNOU REPROVÁVEL O MODO COMO ELES DESPREZARAM A DEUS E BUSCARAM SEUS INTERESSES ABANDONANDO A ADORAÇÃO A DEUS.
Irmãos, Deus deu nomes, datas, e usou um homem AGEU e falou de um problema real. Hoje nós estamos aqui e da mesma forma temos: data, isto é, hoje, temos nomes, os nossos, temos um púlpito e temos um problema: QUANDO É QUE CHEGARÁ A HORA DE SERMOS REALMENTE UMA IGREJA QUE ADORA E AMA A DEUS E TEM ISSO COMO PRIORIDADE?
Simples assim, Ageu vai direto ao ponto. ESpero que possamos ir também direto ao ponto.
 Vimos nos livros das Crônicas que seu objetivo era falar de um projeto doxológico. No Segundo Livro das Crônicas, o que temos é uma afirmação clara de que Deus havia proposto o retorno de seus filhos à sua terra para darem continuidade ao PROJETO DE UMA NAÇÃO DOXOLÓGICA.
Porém, no primeiro ano de Ciro, rei da Persia, para que se cumprisse a palavra do Senhor, por boca de Jeremias, despertou o Senhor o espírito de Ciro, rei da Persia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo: Assim diz Ciro, rei da Pérsia. O Senhor, Deus dos céus, me deu todos os reinos da terra e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá, quem entre vós é de todo o seu povo, que suba, e o Senhor, seu Deus, seja com ele (2Cr 36.22-23).
Dario, o persa, era o rei e já estava no seu segundo ano de governo. O povo tinha retornado à Jerusalém com a ordem de Ciro em suas mãos, Esdras e Neemias chefiam a delegação e o projeto de reconstrução da cidade e do templo, contudo, a obra ficou parada. Alguns inimigos haviam promovido essa paralisação. Mas a acusação de Ageu não culpa os inimigos, mas sim os próprios israelitas.
No nosso texto, vemos a palavra inquisitória do Senhor: “Este povo diz: não veio ainda o tempo, o tempo em que a Casa do Senhor deve ser edificada”. Essa é a peça acusatória, a afirmação pública de Deus contra o seu povo. É a partir desta pela acusatória que toda a profecia vai se desenvolver.
A pergunta que eu faço para este texto é: COMO SABER QUANDO CHEGOU O TEMPO DE RESTAURAR O CULTO AO SENHOR?

QUANDO CHEGA A HORA DE RESTAURAR O MEU CULTO A DEUS?

QUANDO OS MEUS INTERESSES PESSOAIS DETERMINAM E SOBREPOEM A MINHA VIDA COM DEUS

Irmãos, não pensem que o problema de que estamos tratando tem a ver só com reforma do templo, reconstrução de qualquer coisa física. O problema da falta de interesse deles pelo Templo é que eles haviam perdido o interesse pelo próprio Deus. Pode até ser que eles não tivessem percebido, ou se dado conta. Mas este era o fato que precisava ser trazido à tona.
Acaso, é tempo de habitardes vós em casas apaineladas, enquanto esta casa permanece em ruínas? (Ag 1.4).
Você começará a ser despertado para a restauração do culto a Deus quando você perceber em seu comportamento, preferências, escolhas etc, que seus interesses pessoais determinam e sobrepõem à sua relação com Deus.
O problema não é o quanto eles sabiam a verdade, mas o quanto a verdade os movia. Não se tratava do quanto eles entendiam a respeito de Deus, mas o quanto este entendimento era parâmetro para o modo como viviam. E o ponto de Ageu é que eles redirecionaram a vida PARA UM PROJETO PESSOAL e não UM PROJETO DOXOLÓGICO.
Habitar em casas apaineladas – Deus acrescenta um conceito à sua acusação. O conceito de que eles buscavam conforto, abrigo, nas estruturas que eles haviam criado e planejado, suas casas. A expressão apaineladas era uma referência às coberturas das casas que eles faziam para terem conforto e segurança das intempéries. No fundo, Deus os acusa de desprezarem o valor do conforto e da segurança que deveriam ter apenas em Deus, e de fazerem para si ídolos de seus próprios recursos.
Quando Deus reclama sobre o tempo de se edificar o templo, ele está conclamando a todos a respeito da urgência de mudar a matriz de sua segurança e felicidade pessoal. QUANDO VOCÊ NOTAR QUE A SUA BUSCA POR FELICIDADE ESTÁ EM PRIVILEGIAR SEUS INTERESSES PESSOAIS COMO SE ELES REALMENTE DEVESSEM COMANDAR A SUA VIDA, ENTÃO ESTÁ NA HORA DE VOCÊ BUSCAR A RESTAURAÇÃO DO SEU CULTO, PORQUE O SEU AMOR A DEUS ESTÁ COMPROMETIDO.

QUANDO CHEGA A HORA DE RESTAURAR O MEU CULTO A DEUS?

QUANDO VOCÊ PERCEBER QUE ALGO ANDA ERRADO COM A SUA ALMA E ELA NÃO ENCONTRA PAZ NO QUE FAZ

Felizmente há algo dentro de nós que clama constantemente por Deus. Uma sede de Deus que não pode ser saciada por nada, senão uma vida plena na presença do Criador.
Fizeste-nos para Ti, e o nosso coração anda inquieto enquanto não descansar em Ti (Agostinho).
Deus conhecia o seu povo e podia ver a sua angústia. Eles estavam procurando semear projetos de felicidade pessoal, mas não conseguiam alcança-la. Os versos 5 e 6 trabalham com esta situação.
Ora, pois, assim diz o Senhor dos Exércitos: considerai o vosso passado. Tendes semeado muito e recolhido pouco, comeis, mas não chega para fartar-vos, bebeis, mas não dá para saciar-vos; vesti-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o para pô-lo num saquitel furado (Ag 1.5-6).
Considerai o vosso passado – duas vezes no texto, o Senhor os conclama olhar para o passado. Talvez, seja uma referência a fazerem um exercício histórico de pensar que todas as vezes que confiaram em Deus, ele os livrou e quando se puseram a confiar em si mesmos, o destino deles era ruim, como no cativeiro. Por isso, logo em seguida ele os chama a comparar com o presente.
Tendes semeado muito e recolhido pouco – comer, beber, vestir – salários depreciados – os investimentos deles na busca de felicidade são reais, mas não efetivos. Eles são esforçados, sua semeadura não é pequena por falta de trabalho, mas por trabalho errado. Na verdade, eles comem, bebem, se vestem, mas isso não lhes completa. Suas aquisições são fruto de trabalho real, mas não poderão encontrar felicidade neles porque eles estão construídos em uma premissa que nada tem a ver com Deus.
Quando a nossa construção está desconexa de Deus, ou quando Deus é só um instrumento para nossas aquisições, ou pior, quando Deus nada tem a ver com isso, a real busca de preenchimento pessoal é um fracasso.
Quando Paulo diz: fazei tudo para a glória de Deus. Ele não estava apenas ensinando um jeito de “espiritualizar as coisas que fazemos”, ele estava nos ensinando a dar às coisas que fazemos um verdadeiro propósito e uma real efetividade em termos de preenchimento espiritual.
Você começará a restaurar o seu culto quando começar a perceber que sua vida e sua tentativa de viver está desconexa de Deus. QUANDO VOCÊ COMEÇA A DAR OUVIDOS AOS QUEIXUMES DE SUA ALMA E PERCEBER QUE ELA NÃO ENCONTRA PAZ FORA DE DEUS, VOCÊ ESTARÁ COMEÇANDO A PERCEBER TAMBÉM QUE PRECISA RECONSTRUIR A SUA VIDA COM DEUS.

QUANDO CHEGA A HORA DE RESTAURAR O MEU CULTO A DEUS?

QUANDO VOCÊ REALMENTE PERCEBER QUE DEUS ESTÁ REPROVANDO O SEU MODO DE VIDA

Filhos de Deus são pessoas que ele chamou para viverem para ele. Uma das coisas mais preciosas que Deus faz por seus filhos é lhes disciplinar e mostrar que não está aprovando a nossa conduta.
Lemos, há alguns domingos sobre a reprovação de Deus sobre a vida de Davi, quando este decidiu construir sua segurança nos seus exércitos. Então, Deus lhe mostrou o desgosto e trouxe peste sobre o povo. Davi, aprendeu com isto e retomou uma vida doxológica.
Assim diz o Senhor dos Exércitos: considerai o vosso passado. Subi ao monte, trazei madeira e edificai a casa, dela me agradarei e serei glorificado, diz o Senhor. Esperastes o muito, e eis que veio a ser pouco, e esse pouco, quando o trouxestes para casa, eu com um assopro o dissipei. Por quê? Diz o Senhor dos Exércitos, por causa da minha casa, que permanece em ruínas, ao passo que cada um de vós corre por causa da sua própria casa. Por isso, os céus sobre vós retêm o seu orvalho, e a terra, os seus frutos. Fiz vir a seca sobre a terra e sobre os montes, sobre o cereal, sobre o vinho, sobre o azeite e sobre o que a terra produz, como também sobre os homens, sobre os animais e sobre todo o trabalho das mãos (Ag 1.7-11).
Edificai a casa e dela me agradarei – Precisamos redescobrir a beleza da vida doxológica, da vida de culto, de adoração. Irmãos, precisamos retomar o primeiro amor, aquele que faz Deus ter a primazia do que somos. Ele se agrada disto e agradar a Deus nos dará alegria. Neemias, nesta mesma época declarou:
Alegria do Senhor é a nossa força (Ne 8.10) – Somente um coração sabe que está agradando a Deus receberá a verdadeira força para viver. O que a Escritura deseja promover em nós é a condição de um tipo de vida que se move no interesse de sempre agradar a Deus. DEUS FARÁ DE TUDO PARA QUE SEJAMOS ASSIM.
Com um assopro eu dissipei - Nosso coração sabe que Deus faz isto por amor. E Deus faz isso para o nosso bem. Ele diz que é por causa do culto que ele quer de nós e Ele deseja isto de nós para que sejamos realmente felizes. Deus deseja mudar o nosso coração e o seus desejos.
Disciplina de Deus – a disciplina operada por Deus na vida de seu povo era uma demonstração de como ele não descansaria enquanto não os colocasse na verdadeira estrada da luz.
VOCÊ SABE QUE PRECISA RESTAURAR A SUA VIDA DE CULTO QUANDO SEU CORAÇÃO ACUSA QUE DEUS ESTÁ REPROVANDO O MODO COMO VOCÊ ESTÁ VIVENDO.
Mas pode ser que alguém esteja sendo reprovado por Deus e não consiga ver isto. O que podemos dizer sobre isto? Podemos dizer duas coisas:
1)    Quem está sendo reprovado por Deus e não consegue perceber isto, pode estar tão dominado pelo pecado que Deus pesará ainda mais fortemente a sua mão para que veja. Isso é terrível! Mas Deus trabalhará, mesmo que duramente para que ele acorde de seu sono.
2)    Ou pior. Podemos dizer que quem está sendo reprovado por Deus e não consegue perceber isto, pode também não ser um filho de Deus, mesmo que ache que é. Seu coração é insensível e sua ruína será total.

Conclusão

Acredito que as conclusões para esta mensagem devem ser o resultado do modo como você se vê diante de Deus. O mais importante é você parar de se esconder e se expor diante da Palavra do Senhor.
Penso que é necessário que o filho de Deus tenha discernimento claro de si mesmo e o texto de Ageu é uma proposta de reflexão para todos nós. È objetivo, sem meias palavras que Deus precisa falar ao seu coração. Não podemos mais permanecer num tipo de relação de fachada com Deus, ou assumimos que amamos a Deus e confessamos pecados, ou assumimos que estamos mais dispostos a servir a nós mesmos.
Você tem deixado seus interesses pessoais sobreporem aos interesse da relação com Deus? Você tem sentido a falta de paz em sua alma? Você tem percebido a reprovação de Deus?
Você é corajoso o suficiente para estas coisas?
Então, meu amado irmão... você também será capaz de restaurar o seu culto a Deus e voltar ao seu primeiro amor e deixar sua vida girar em torno da vontade de Deus.
Como Cristo não buscou a si mesmo, mas deixou a vontade de seu Pai dirigir a sua vida, quando preferiu morrer a se salvar, porque sabia que estava vivendo e morrendo para o Pai.

Deus, é o único que cuida de você e a melhor maneira dele fazer isto é não deixar você ser senhor da sua própria vida.