13 de agosto de 2017

Gálatas 4.8-20

Cuidado Com o Falso Evangelho Que Não Te Faz Parecido Com Cristo 
Gálatas 4.8-20

Introdução
O tipo de fé que os crentes da galácia estavam vivendo era uma negação do Evangelho e Paulo está ocupado em lhes mostrar isto. Neste capítulo, ele toma a ideia de que eles estavam perdendo o valor da vida como filhos e vivendo como escravos.
Neste trecho, capítulo 4, versos 8 a 20, ele se mostra perplexo sobre o que estava acontecendo com eles e como haviam perdido os valores do Evangelho da graça, transformando a boa e doce comunhão com o Pai em uma fé de ritos e obediência destituída de vida.
Na última mensagem que preguei falei de um cozinheiro que é capaz de fazer a melhor comida e nos dar o mais puro e perfeito paladar para saborear o melhor e perceber o melhor daquela maravilha culinária. Agora, entretanto, Paulo parece estar se referindo a pessoas que comem a melhor comida e sentem o gosto errado, sentem um paladar totalmente diferente, possuem uma falha tão grave que não somente não conseguem se alimentar corretamente, mas o efeito daquele alimento lhes é danoso e prejudicial.
Na verdade, Paulo está falando de uma possibilidade que pode ser vivida a qualquer tempo e por qualquer um de nós. A possiblidade de que Paulo está falando é a de que sejamos tomados de um tipo de relação com Deus que transforme a nossa vida como filhos de Deus em um árido e frio tipo de religião, baseada em rituais que nos fazem parecer crentes, mas escondem a frieza e a distância que temos em relação a Deus.
O sentimento que Paulo tem no coração é o de perplexidade, mas principalmente o de frustração. Ele era um pregador que desejou ardentemente que o Evangelho produzisse uma igreja vibrante, cheia de temor e amor a Deus, uma igreja humilde, que se entregasse a uma relação viva com Deus como filhos que viviam um amor profundo do seu Pai. Eles, porém, tinham se tornado em uma igreja cheia de rituais e de pouco amor, ao contrário, os elementos que tomaram ênfase entre eles havia produzido uma igreja legalista e cheia de intrigas e facções, que ele chamará, mais à frente na carte de “obras da carne”.
Quais os sinais que eles davam desta mudança? Este trecho que separamos para nossa meditação parece trabalhar com estes sinais. Aqui, o apostolo Paulo levanta os fatos que servirão mais à frente para sua conclusão a respeito do que eles precisam fazer.
Quero aproveitar este texto para também nos fazer olhar para nós mesmos. Esse é o ponto principal para nós, irmãos. O que nós precisamos fazer é voltar para nós mesmos o olhar e usar estes sinais que Paulo aponta para averiguar se eles também estão presentes em nossa vida. Precisamos começar a pensar sobre o que realmente é a nossa vida com Deus e se não deixamos o Evangelho da graça se deteriorar e passamos a viver um evangelho sem graça, sem Deus, sem amor e ainda pior, um evangelho que em lugar de nos abençoar e ajudar está estragando quem nós somos e nos tornando em algo bem diferente do que Deus quer que sejamos.
Quero olhar para este texto como quem procura um diagnóstico e sinais de um problema sério para que possamos tratar a doença, antes que ela acabe com a nossa saúde. Vamos pensar sobre isto juntos agora irmãos.
O ponto de partida de Paulo era a sua linha de chegada. Sim, na verdade, Paulo tem uma meta e avalia o que estava acontecendo e como é que os crentes da Galácia estavam naquele momento e avaliava o que havia de errado pelo distanciamento entre a trajetória deles e o alvo que havia.
Paulo diz que o seu ministério era A MODELAGEM DO CARÁTER DE CRISTO NA VIDA DELES e notava que havia distorções que estavam distantes deste objetivo.

Até ver Cristo formado em vós – este era o alvo do apóstolo Paulo, entretanto o que estava acontecendo que Paulo não via este Cristo neles, que sinais eles davam desta distorção?

Tome Cuidado Com Um Evangelho Sem os Sinais de Um Deus Vivo

Outrora, porém, não conhecendo a Deus, servíeis a deuses que, por natureza, não o são, mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como estais voltando, outra vez, aos rudimentos fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizar-vos? Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós tenha eu trabalho em vão para convosco (Gálatas 4.8-11).
Neste primeiro trecho o que temos é uma primeira constatação sobre o que estava acontecendo com aqueles crentes, eles haviam transformado o Evangelho da Graça em um projeto ritualístico escravista de fé baseada em obras humanas.
Outrora servíeis a deuses que não são – Paulo usa a história da maior parte daquelas pessoas antes de conhecerem o amor de Deus. Eles serviam a deuses que descobriram que eram falsos, meros rituais vazios de qualquer sentido. O Evangelho das obras humanas e da auto-justiça faz da relação com relação uma relação parecida com uma fé idólatra que despersonaliza Deus.
Como estais voltando aos rudimentos fracos e pobres - Num evangelho em que Deus é um mero expectador sem vontade e tudo está baseado no homem e nas suas obras, Deus não é diferente de uma fé idólatra em um pedaço de madeira. Irmãos, precisamos notar se há em nós sinais de que tiramos a personalidade de nosso Deus.
Eles haviam tirado a personalidade de Deus naquele novo evangelho que estavam vivendo baseados em si mesmos. Deus não era uma pessoa, um Pai que precisava ser considerado, cujo amor era vivido, vivenciado, experimentados, apreciado, mas um protocolar atendedor de pedidos e observador de fidelidade.
Guardais dias, e meses, e tempos, e anos – A confiança baseada na fidelidade de Deus e no amor de Deus havia sido transformada em uma lealdade deles a seus rituais. Você talvez tenha perdido isto e suas orações passaram a ser uma mera obrigação que faz você simplesmente ficar contente em ter vindo ao culto, mesmo que não tenha se encontrado com Deus e não tenha ouvido ele falar, ou ainda se contenta em fazer de conta que estava vivendo uma fé, que não faz sentido algum, porque você está frio e distante.
Quais são os sinais que sua fé está emitindo? Por acaso, você está destituindo Deus de personalidade na sua religiosidade baseada em você?

Tome Cuidado Com Um Evangelho em Que a Vaidade Substitui a Verdade

Sede qual eu sou; pois também eu sou como vós. Irmãos, assim vos suplico. Em nada me ofendestes. E vós sabeis que vos preguei o evangelho a primeira vez por causa de uma enfermidade física. E, posto que minha enfermidade na carne vos foi uma tentação, contudo, não me revelastes desprezo nem desgosto; antes, me recebestes como anjo de Deus, como o próprio Cristo Jesus. Que é feito, pois da vossa exultação? Pois vos dou testemunho de que, se possível fora, teríeis arrancado os próprios olhos para mos dar. Tornei-me, porventura, vosso inimigo, por vos dizer a verdade? (Gálatas 4.12-16).
Paulo fala de um processo de mudança tal que os levou de uma postura de amor em relação à Paulo à um antagonismo que beirava as raias da discórdia. Sim, o inicio do Evangelho que Paulo lhes pregou apontava para uma relação não baseada na glória humana, mas na verdade de Cristo, agora, entretanto, eles estavam rejeitando Paulo, em busca de um Evangelho de valores humanos que buscava agora o favor humano e não mais a verdade.
A enfermidade não nos afastou porque Cristo nos unia – a enfermidade de Paulo não é relatada e provalmente não saberemos do que se tratava. Em geral, se fala que Paulo parecia ter sofrido muito em virtude da luz que lhe cegou os olhos no dia em que se converteu. Possivelmente algum tipo de ferida que lhe marcava a face, algo que deixava uma marca visível. Mas este é um terro de pressuposições,que não queremos trilhar.
Bem o fato é que Paulo diz que, a sua enfermidade não foi um empecilho e bem que poderia ter sido e não foi! Justamente porque o que havia conquistado aqueles crentes era a verdade de Cristo sobre a sua condição de pecado e o perdão que, apesar do pecado, Cristo lhes oferecia. O Evangelho da Graça não aponta para valores do homem, mas o amor de Deus. Agora, entretanto, eles estavam mudando de matriz de evangelho e buscando um evangelho baseado na sua perfeição pessoal, portanto, agora o Evangelho de Paulo não servia mais.
Que é feito da vossa exultação (makarismos) – O que aconteceu com vocês, que eram capazes até mesmo de tirarem os olhos para darem a mim, agora passaram a buscar valores humanos? Paulo se lembra que a grande alegria, a grande bem aventurança deles era a VERDADE, a mensagem o Evangelho que foi pregado, Cristo era a VERDADE QUE ELES AMAVAM.
Agora a sua exultação na graça não existe mais? Este é um sinal que precisamos começar a notar se está determinando a nossa fé. O que é realmente que estamos buscando? Glórias humanas, reconhecimento, valores em nós? Quando a VERDADE ASSUME UMA FUNÇÃO SECUNDÁRIA E DEIXA O LUGAR DE SER O PRINCIPAL MOTIVO DE FÉ, sendo substituída pela vaidade, este é um sinal de que CRISTO NÃO ESTÁ MAIS SENDO MODELADO EM NÓS.
Irmãos precisamos recuperar a centralidade e a força da VERDADE na condução de nossa fé. Pode acontecer, com o passar do tempo, que outros valores se tornem mais determinantes para nossa vida e substituam a força da verdade como modeladora da nossa conduta. Interesses pessoais talvez possam falar mais auto e um evangelho mais parecido com os nossos gostos, pode ser mais proeminente em nossa visão. Enfim, podemos estar buscando uma VERDADE mais modelada a nós mesmos que um VERDADE MODELADORA DO CARÁTER DE CRISTO EM NÓS.
TErieis arrancado os olhos para mos dar – agora somos inimigos – Paulo está dizendo que o caráter deles era modelado pela verdade de tal forma que seriam capazes de vencer qualquer repugnância que uma enfermidade poderia lhes causar para amar, alguém como o próprio apóstolo. Agora, no entanto, essa repugnância pode ter se tornado efetiva, na medida em que o Evangelho que fala do pecado, conforme Paulo o pregava e que apontava para a feiura da alma que precisa ser corrigida não pode ser mais ouvido e nem é bem vindo.
Quando a verdade se torna incômoda precisamos de uma revisão pessoal séria. O caráter de Cristo, quando é modelado em nós pela verdade, precisa trabalhar os valores desviados de nossa alma. O que precisamos não é de um evangelho de vaidades e elogios falsos. Precisamos de uma fé verdadeira, de uma palavra que nos movo na direção certa, que nos ofereça um caminho verdadeiro.

Tome Cuidado Com Um Evangelho Que Não Está TE Levando na Direção do Caráter de Cristo

Alguns interesses humanos estavam se sobrepondo aos interesses de Deus e do Evangelho de Deus. Aqui na Carta aos Gálatas, Paulo parece indicar que algumas pessoas estavam se valendo da posição que tinham na Igreja para convencer a igreja em favor de seus planos de poder pessoais.
Os que vos obsequiam não o fazem sinceramente, mas querem afastar-vos de mim, para que o vosso zelo seja em favor deles (Gálatas 4.17).
Paulo, no entanto, não busca dos galátas o agrado ou algum benefício pessoal. Ele, na verdade, busca ver neles formado o caráter de Cristo.
Meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós (Gálatas 4.19).
Este deve ser o grande alvo de nossos ministérios uns para com os outros. Como pais, irmãos em Cristo, filhos da Igreja, líderes, membros, dizimistas... qualquer que seja nossa função, posição, privilégio etc... no reino, o nosso compromisso é fazer deste lugar, da igreja da nossa irmandade uma agência modeladora do caráter de Cristo.
O Evangelho existe para nos fazer parecidos com Cristo e, portanto, filhos do altíssimo. A grande alegria, o grande desfrute que a verdade nos oferece é a verdadeira transformação de nosso caráter, limpeza pela verdade.
Paulo não quer só agradar, fazer amigos, ter adeptos do seu ministério, Paulo quer ver filhos parecidos com o Pai, modelados segundo a imagem do Filho Unigênito. Este prazer é o maior e único prazer que o Evangelho tem como objetivo...
Por isso, Paulo está disposto a lhes escrever carta tão dura, corretiva, mesmo que no íntimo ele queria poder ser menos severo, contudo, a sua perplexidade, quanto ao que estava acontecendo era que eles estavam se afastando do caráter de Cristo.
Irmãos, amados, a IPB tem uma história que começou em 12 de agosto de 1859 com Simonton. O Diário de Simonton conta algumas das esperanças que ele nutria nos eu coração. Talvez ele nunca tivesse imaginado o que viria a ser a Igreja Presbiteriana do Brasil, que começara tão humildemente na publica profissão de fé de duas pessoas no Rio de Janeiro ou em uma pequena reunião na Rua Nova de São José, no centro da Cidade de São Paulo. Deus, porém, sabia o que ele buscava: DEUS ESTAVA MODELANDO FILHOS PARA SI E PREPARANDO UM POVO PARA SER IGUAL A CRISTO.
Quando você olha para você é isso que você vê. TOME CUIDADO QUANDO OUTRAS METAS TOMAREM O LUGAR DE CRISTO NA SUA VIDA CRISTÃ. Frequentar cultos para não nos parecermos com Cristo é um erro. Cantar louvores só para mostrar que sabemos cantar e não sermos transformados no caráter de Cristo é como olhar no espelho sem se ver.
Quando você realmente buscar a Deus e começar a ver o caráter de Cristo sendo modelado na sua vida, então terá realmente encontrado o Evangelho. Nada poderá substituir a verdade, nada pode tomar o lugar do caráter de Cristo na sua vida. Qualquer outra busca, é vã.

Conclusão
Que quero te fazer um convite! Quero te convidar a pensar muito sobre o que é EVANGELHO PARA VOCÊ E QUAIS OS VALORES QUE TEM NORTEADO A SUA FÉ.
Eu pergunto o quanto a você a respeito do quanto você está empenhado em ENCONTRAR UMA RELAÇÃO PESSOAL COM UM DEUS VIVO. Quanto da sua fé realmente tem a ver com um Deus vivo, que fala ao seu coração, que ouve sua oração, que fala com você e aponta o caminho? O quanto seu Pai é realmente Pai para você?
Quero lhe perguntar qual é a função e o lugar da Verdade na construção da sua fé. Você é alguém que realmente abrirará mão de si mesmos e de suas certezas para seguir na direção que Cristo lhe chama a seguir.
Quero esta noite te convidar a pensar sobre isto! Pensar sobre o fato de estar tentando construir uma vida onde o seu caráter esta sendo modelado por você e não pela verdade do Evangelho.
Gente de bom caráter é possível encontrar até mesmo fora do Cristianismo e até no paganismo e em outras modalidades. O que buscamos não é só gente honesta, capaz de trabalhar e viver de forma adequada. Embora estas sejam coisas que esperamos de todos os crentes, o que realmente buscamos tem a ver com o caráter de Cristo modelado nos crentes.
O quanto o Evangelho faz você mais parecido com Cristo? O quanto de Cristo já está formado em você? Este é o seu alvo? Nesta noite, repense os valores que estão te guiando e não se deixe enganar. Nada pode ser mais importante que, a cada dia mais, você ser um filho que agrada ao seu Pai Celestial, como Jesus Cristo, o Filho no qual o Pai tem todo o prazer.



6 de agosto de 2017

Gálatas 4.1-7

Filhos Pela Graça de Deus
Gálatas 4.1-7

Introdução
Sem dúvida, Paulo estava diante de um pedaço de pergaminho, escrevendo uma carta de grande importância, primeiramente, porque amava aqueles irmãos e esperava que sua vida com Cristo não fosse transformada em uma mistura estranha de religião baseada na força do homem, ao contrário, Paulo deseja ver aquela igreja desenvolvendo verdadeira maturidade que implicava em um relacionamento vivo, sério, intenso e completamente preenchido pela verdade de que eles amavam a Deus e viviam para Ele.
O grande problema identificado na Carta aos Gálatas era a transformação do cristianismo numa religião baseada no esforço humano. O fato de estarem tentando colocar no centro da fé as cerimônias judaicas, não era somente um retrocesso ao antigo judaísmo, mas uma mudança na plataforma da fé. Eles estavam procurando encontrar motivos para a glória em si mesmos, algo que pudessem confiar e que estivesse ancorado na sua própria força e lhes servisse como um modo de se auto-afirmarem.
Paulo identifica o perigo dessa autojustiça, desse elevado apreço por si mesmo e não poupa argumentos para fazer os crentes considerarem a loucura daquela postura. Ele, mais à frente, vai dizer que essa confiança em si mesmo é um movimento do coração controlado pelas “paixões da carne” e os crentes deveriam lutar contra isso tendo um coração controlado pelo Espírito Santo.
Como principal argumento contra esta postura, Paulo usa a força da mensagem da graça. E aqui no capítulo 4, esse argumento está centrado no modo como nos tornamos filhos de Deus. Ele irá nos dizer que a melhor maneira de nos mostrar como filhos de Deus e nos tornar filhos que sabem que são filhos não que existe algo maravilhoso em nós, mas porque Deus nos fez seus filhos, mesmo sem merecermos.
Neste trecho, vamos destacar três argumentos sobre o processo de nossa adoção como filhos de Deus que devem nos lembrar que essa condição não nasce em nós ou não nasce de nossos esforços, mas da obra graciosa de Deus. Por isso é que vamos chamar a adoção de um resultado da graciosidade e benevolência de Deus.
  
Somos Filhos Que Experimentam a Verdadeira Experiência da Vida Como Filhos NÃO NO NOSSO MOMENTO, MAS NO MOMENTO EM QUE O PAI DETERMINA – A GRACIOSIDADE DO PAI
Digo, pois, que, durante o tempo em que o herdeiro é menor, em nada difere de escravo, posto que é ele senhor de tudo. Mas está sob tutores e curadores até o tempo predeterminado pelo pai (Gálatas 4.1-2).
Ser um filho de Deus está entre as mais belas dádivas e privilégios que seguem a fé em Cristo Jesus. O apóstolo João nos diz isto de forma maravilhosa em seu Evangelho quando disse:
Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber os que crêem em seu nome (João 1.12).
Este privilégio vai muito além de um estado de garantias quanto ao futuro e à vida no Novo Céu ou na Nova Terra. Este privilégio vai ao ponto mais profundo quando pensamos que a nossa relação com Deus passa a ser filial, pessoal, de vida e desfrute da companhia perfeita de Deus. Esse é o ponto! Deus nos vê como filhos, não como servos. Essa nova condição não tem a ver só com o livramento da ira vindoura, mas com o favor que ele nos concede de dar o melhor e o mais desejável de todos os privilégios, a saber, a vida com ele, a comunhão com ele, a ELE PRÓPRIO.
Paulo já vinha tratando dessa herança que temos como filhos. Mas aqui, no capítulo 4, ele vem nos mostrar que precisamos considerar que isto só ocorre no tempo em que PAI DETERMINA. Deus, não somente nos salva pela graça. Pela graça também ELE DETERMINA o momento, a extensão, a profundidade em que experimentamos sua presença.
Um cozinheiro faz uma comida deliciosa e te oferece a comida. Mas neste caso, o cozinheiro é tão soberano sobre o assunto da comida que oferece, que controla até o quanto da delicia da comida você sente no paladar. Em geral os cozinheiros podem caprichar no tempero e nos oferecer a comida, mas Deus controla o paladar.
O que Paulo está nos dizendo nestes dois primeiros versículos é que o momento e a extensão da nossa filiação só consegue ser usufruída no momento e na medida em que Deus nos permite.
O que os falsos mestres estavam incluindo ferramentas de controle humano sobre a fé. Este é um problema para o qual todos precisamos ficar muito atentos. Algumas vezes, tentamos dizer o que é e o que não é fé, segundo nossos próprios preceitos. Em outras palavras, tornamos a nossa relação com Deus numa ciência humanamente construída, tentamos controlar Deus. Procuramos medir a relação de amor com Deus por medidas conveniadas por nossos interesses ou de uma maneira que sejamos os controladores da verdadeira vida.
A vida com Deus não é medida pelo número de orações que se faz por dia, ou pelo número de horas de jejuns que você consegue fazer, ou ensaios e hinos que você fez neste último mês, ou quanto você deu de dízimo... Você é um filho e saboreia este prazer na medida em que Deus te faz conhecer e perceber este privilégio.
Em geral, pessoas que são legalistas, tentam controlar Deus e tentam criar métodos para dizerem a si mesmas: MUITO BEM, SERVO BOM E FIEL, VOCÊ CUMPRIU A SUA PARTE NO ACORDO. Paulo, vai numa direção contrária, ele começa a dizer que o verdadeiro filho desfruta do prazer de ser filho por meio de um sentimento que Deus lhe dá: CLAMAMOS ABA PAI PORQUE O ESPÍRIO FALA COM O NOSSO ESPÍRITO: VOCÊ É FILHO.
Este é o ponto deste dois versos. Paulo está dizendo assim: o filho é filho, mas só pode desfrutar disto quando pai determinar. AGORA SIM, VOCÊ PODE GOZAR DESTE PRIVILÉGIO, do contrário, mesmo sendo filho ele parece um escravo.
Irmãos, precisamos orar e pedir a Deus que sempre nos conceda este privilégio: o de vivenciar sua perfeita e graciosa paternidade. Quando é que sabemos que ele realmente ouviu a nossa oração, ou quando é que realmente desfrutamos de saber que ele se agrada de nós? Quando, por sua graça, ele se dá a conhecer e se faz perceber por nós. Ser filho e desfrutar disto é obra da graça. PRECISAMOS COMEÇAR A ORAR MAIS PARA VIVER NOSSA ADOÇÃO, APRECIA-LA E SENTI-LA. PRECISAMOS PEDIR AO COZINHEIRO QUE NOS DEU O MAIS MARAVILHOSO BANQUETE, QUE NOS FAÇA SENTIR O PRECIOSO SABOR DE CADA TEMPERO DA VIDA CRISTÃ.

Somos Filhos Que Experimentam a Verdadeira Experiência da Vida Como Filhos NÃO COMO RESULTADO DA NOSSA OBRA, MAS COMO RESULTADO DA OBRA DA GRAÇA DE CRISTO – A GRACIOSIDADE DO FILHO
Assim também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos (Gálatas 4.3-5).
Às vezes, fica um pouco estranho o modo como Paulo argumento, porque nos confunde um pouco. Espero poder explicar um pouco essa figura que Paulo está usando.
Ele está usando a figura de filhos menores, servos e senhores. Nos versos anteriores, ele disse que um FILHO, quando ainda é menor, vive como um escravo, mesmo sendo, na verdade um senhor. Isto porque os privilégios de ser filho é uma dávida que só é desfrutada no tempo determinado pela graciosidade do Pai. Agora, nestes versos 3 a 5, ele diz que isto se assemelha à nossa condição quando ainda estávamos distantes e não éramos filhos adotivos. Éramos somente pecadores condenados, como todos os outros homens.
Assim também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo – Ele está dizendo que embora Deus já nos tivesse escolhido, vivíamos sem nenhum desfrute da vida com Deus porque vivíamos sujeitos aos rudimentos do mundo, isto é, à postura ímpia e distante de Deus. O que realmente mudou a nossa condição foi uma obra centrada na vontade do Pai e na liberalidade e voluntariedade do FILHO DE DEUS.
Vindo, porém a plenitude do tempo, Deus enviou seu filho, nascido de mulher, nascido sob a lei – Ele, o apóstolo, enfatiza o fato de que Jesus é filho unigênito, legítimo e perfeito de Deus. Jesus não devia nada a ninguém, a nenhum de nós. Ele não precisava morrer. Paulo, portanto, enfatiza que ele o fez de uma forma graciosa e generosa, porque ele se submete à Lei para salvar os que estavam condenados pela mesma lei. Ele se fez homem!
João também enfatizou essa mesma realidade, no seu evangelho, especialmente quando disse:
E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai (João 1.14).
Alguns textos bíblicos nos comovem profundamente! Eles apontam para a graciosidade do Filho de Deus que se fez homem para nos salvar, por nos amar. Ele nos deu o privilégio, às custas de abrir mão dos seus privilégios. Ele deixou a sua glória para me resgatar e para te resgatar.
Este é o ponto que Paulo trabalha nos versos 3  5, de Gálatas 4. Somos filhos porque o FILHO UNIGÊNITO se fez SOB A LEI PARA NOS LIBERTAR DA CONDENAÇÃOD A LEI. Por isso é que Paulo usa a palavra RESGATAR, no verso 5.
Ek-Agorazo – trocar a propriedade, ou a titularidade da propriedade. Você vai na feira, separa uma dúzia de laranjas, põe numa bacia e dá o dinheiro para o dono da banca e pede para ele embalar. Quando ele toma o dinheiro ele transfere para você a titularidade da propriedade e as frutas agora foram compradas, pertencem a você não são dele mais, então ele te embala e lhe entrega as frutas que você resgatou.
Paulo está dizendo que só desfrutamos do fato de que pertencemos a Deus porque Cristo, no tempo certo, pagou o preço e nos salvou. Este é o coração da mensagem do Evangelho. Os falsos mestres estavam tentando tirar isto do coração dos cristãos, quando estavam propondo um evangelho baseado no que o homem faz, porque isto rouba de você a alegria que vem da graça. A alegria que vem da graça faz você sentir uma profunda esperança e uma profunda gratidão nascidas na cruz, no sangue que CRISTO VOLUNTARIAMENTE DERRAMOU POR VOCÊ. ESSE É UM DOS MOTIVOS QUE O SACRAMENTO QUE PRECISAMOS LEMBRAR ATÉ QUE ELE VOLTE NOS FAZ OLHAR PARA O PASSADO, PARA A CRUZ E PARA O SANGUE.
A graciosidade do Filho e da obra do Filho são os fundamentos da nossa verdadeira adoção. Filhos adotivos de Deus, quando orar, lembram do UNIGÊNITO, e quando adoram, o adoram por causa da cruz. Nada fazem para sua glória, mas para glorificar aquele que deu a vida por eles. Faz todo sentido o que Paulo tem a nos dizer:
Longe de mim esteja, gloriar-me senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo (Gálatas 6.14).


Somos Filhos Que Experimentam a Verdadeira Experiência da Vida Como Filhos NÃO COMO RESULTADO DA SUA CAPACIDADE DE DISCERNIR ESPIRITUALMENTE, MAS COMO RESULTADO DA OBRA DE CAPACITAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO – A GRACIOSIDADE DO ESPÍRITO
E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro de Deus (Gálatas 4.6-7).
Louvado seja Deus!
Gostaria de ilustrar essa figura com algo que te fizesse pensar sobre a beleza da figura que Paulo está nos usando aqui. Penso em muitas ilustrações, mas a que me mais me aproxima a mente disto é o sentimento que Jesus Cristo tentou infundir na imagem que criou na parábola do Filho Pródigo. Um Filho, que sabia do amor e do privilégio que é viver na casa do Pai, decide voltar depois de descobrir como é ruim viver neste mundo sem Deus e sem poder contar com o mínimo do amor do Pai, do Criador, de Deus. Ele planeja voltar e seu coração sabe muito bem do que fez, por isso, sabe da sua indignidade, Jesus nos diz que ele planejou pedir perdão pelo que fez e se planeja se sujeitar. Viver e receber as migalhas da mesa do Pai é melhor que viver no mundo sem Deus, sem qualquer proximidade. É melhor ser um escravo do Pai, que viver longe definitivamente. Então ele quer voltar e planeja suplicar sua misericórdia. Mas o sentimento que quero pensar agora é o que vem depois. Aquele sentimento que Jesus queria que todos sentissem, quando diz que, enquanto ele simplesmente planeja só se livrar da dor de viver absolutamente afundado na distancia, ele é recebido pelo PAI COMO UM FILHO. Este é MEU FILHO, que estava morto, mas reviveu. ESTE É O SENTIMENTO QUE EU SINTO QUANDO LEIO ESTES VERSÍCULOS.
 A verdadeira alegria que temos por ser filhos de Deus é uma dávida que só realmente sentimos porque Deus nos faz sentir por meio da obra que o Espírito Santo faz dentro de nós. Os homens sem Cristo não sabem o que é ser um filho de Deus, porque este tipo de sabedoria só se pode desfrutar por meio do Espírito.
Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. (...) o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura, e não pode entende-las, porque elas se discernem espiritualmente (1Coríntios 2.12-14).
Deus enviou ao nosso coração o Espírito que clama Aba Pai! – Só podemos vivenciar a nossa filiação e desfrutar de todos os belos privilégios que ela nos concede, especialmente, só podemos desfrutar e degustar da beleza de sermos filhos de Deus, porque em nosso coração é dado perceber, experimentar, saborear a beleza do que é ser FILHO DE DEUS.
Os falsos mestres deturpavam o evangelho, fazendo os crentes perderem essa beleza. Quando tentavam colocar regras humanas, tentavam dominar Deus e fazer com que eles vivessem uma relação com Deus baseada na troca, no toma lá dá cá. Desculpe dizer isto de uma forma tão grosseira!
O Evangelho é vivido de dentro para fora. A beleza da nossa vida com Deus é que ele nos é dada e não é tomada por nós. Deus não nos deve nada e assim mesmo nos concede sua graça. A obra do Espírito é nos convencer de nossa pecaminosidade e apesar disto, nos dá também a certeza de que fomos perdoados.  Isso é grandioso!
Nossa confiança na nossa filiação é gerada em nós e não promovida por algo que nos faça mais confiantes.
De sorte que já não és escravo porem filho e herdeiro – o sentimento de alegria que nos invade, nos faz sentir filhos. Pense no filho pródigo quando é recebido com um abraço: MEU FILHO ESTAVA MORTO E REVIVEU. Esse é o ponto que nossa vida com Deus precisa ter: DEUS NOS AMA E GRACIOSAMENTE OS DÁ O ESPÍRITO DA GRAÇA QUE NOS FAZ SENTIR FILHOS.


Conclusão
Sem dúvida, uma das maiores perdas do legalismo e do cristianismo errático daqueles que se baseiam em si mesmos é que sempre estão se medindo e medindo os outros e tentando provar quem é melhor ou pior. O fato é que quando tentamos fazer Deus pequeno como nós, não desfrutamos da beleza de sua grandeza.
Quando entendemos a graciosidade da obra trinitária da salvação não estamos medindo ninguém, mas nos alegramos na conquista de todos, porque todos são que são pela graça e pela graça somos filhos de Deus.
UM EVANGELHO QUE NOS FAZ SENTIR FILHOS pela graça, nos une mais. Por isso, quero destacar algumas coisas que precisamos buscar mais:
1)    Precisamos buscar mais simplicidade na nossa maneira de servir;
2)    Precisamos recuperar a beleza da graça e sentir a graça em nosso meio, vendo a graça também operando nos irmãos, por isso, devemos nos perdoar mais e esperar que o melhor venha porque Deus é melhor que todos nós;
3)    Precisamos de uma unidade baseada em Deus e não em nós mesmos e a melhor maneira de viver essa unidade é trabalhar para que todos cresçam na graça e no conhecimento de Jesus;
4)    Precisamos reconhecer que Deus é quem controla a nossa vida e que crescer em desfrutar da nossa verdadeira filiação é um processo de amadurecimento que precisamos buscar juntos.
Que Deus nos conceda a sabedoria para estas percepções de sua graça e presença em nosso meio!!

Oração
Deus, na tua graça e na graciosidade do Filho e do Espírito, nos conceda que sejamos filhos que sabem ser filhos, para que sejamos humildes e vivamos para tua glória. Amém!